O Homem-Massa de Cada Dia…

Não são poucos os filósofos que se agarram a ideia de que o advento de um tal Homem-Massa trouxe, paralelamente, a perspectiva de uma decadência cultural, justamente pela construção de uma “ditadura da massificação”.

Com boas exceções. Walter Benjamin afirmava ser um instrumento democrático a possibilidade de se copiar as imagens das obras de artes que antes da fotografia, por exemplo, só eram vistas em museus europeus, por classes privilegiadas.

Ao contrário, Ortega y Gasset, por exemplo, que criou o conceito do Homem-Massa “fornece um importante aparato intelectual para compreendermos de que maneira vivemos sob a égide moralista do nivelamento humano, e de que forma nossa criação cultural se submeteu a tais parâmetros normativos motivando, assim, nada mais do que o empobrecimento existencial e a legitimação do grotesco”.

Esta visão acima é do autor do artigo O Advento do Homem-Massa, Renato Nunes Bittencourt, na Revista Filosofia, Nº 52, da Editora Escala, analisando as ideias do filósofo espanhol, José Ortega y Gasset.

O que me vem logo a cabeça num debate deste tema da cultura é a Carla Perez dançando na boquinha da garrafa, e ao fundo a música “É o Tchan” sendo tocada. Nada mais “grotesco” para iluministas, cheios de razão, que deploram o que não é “belo” e “sublime”, ou seja, o que “dilui todo destaque pessoal, todo brilho singular”.

Com análises parecidas Theodor Adorno critica a Indústria Cultural que seria construída a partir do conceito de cultura como simples mercadoria. E como mercadoria, dentro do âmbito do capitalismo, não seria priorizado “o florescimento autêntico da vida cultural”.

Tenho uma certa simpatia por ambos os autores. Principalmente quando marcam suas posições contra um modelo de construção cultural que manipula ou coage as pessoas no intuito de simplesmente lucrar e continuar explorando aquelas mesmas pessoas que se tornam consumidores, deixando suas individualidades de lado.

Mas em determinados pontos de suas teorias, eles parecem ter, porém, um certo preconceito com o que podemos chamar de cultura popular. Talvez uma leve saudade do tempo em que ainda se considerava cultura e arte como sinônimos de eruditismo.

Infelizmente, um certo grau daquela arrogância iluminista está instalada nas universidades e faculdades do país. Muita gente ainda acredita com unhas e dentes na superioridade daqueles que têm o diploma de nível universitário. E acreditam nisso com uma naturalidade descarada.

E assim, se aproximam do velho sonho de Platão de ver nos governos apenas os sábios e filósofos. E, então a “gentalha” estaria sob controle total.

Anúncios

Sobre cbaqueiro

Graduado em História e Jornalismo.
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para O Homem-Massa de Cada Dia…

  1. >"decifra-me ou te devoro!"Isso é fato: Tememos tudo àquilo que não conhecemos, pois desde a tenra idade somos 'educados' para mantermos o outro – o desconhecido – à uma distância segura: não toque, não corra, não grite, não pense…Faz-se necessário, portanto, que venhamos a conhecer primeiro o que tememos, normalizando então os objetos de nossa curiosidade. Para, só assim, disciplinar e/ ou 'controlar' àquele e/ ou àquilo que se escondia no mistério do desconhecido ou da dúvida.Lembro-me, perfeitamente, das jovens dançarinas contracenando com litros ou garrafas de aguardentes, isso para o deleite dos amantes de uma boa bebida destilada.Lembro-me, ainda, que a performance artistística das moçoilas em trajes diminutos amedrontava à comunidade feminina cristã, que via naquilo a representação de todo o mau, amém!!Isso posto, digo que a nossa cultura de massa/ popular é quase sempre eivada de sensualidade, o que serve como justificativa – por parte dos nossos queridos hipócritas – para tanto medo e/ ou aversão ao desmedido, ao lúdico, à luxúria e ao sexo propriamente dito:Gestos explícitos de sensualidade, toques calorosos, cheiros afrodisíacos, paladares apimentados, gritos lacinantes etc… fazem tremer a espinha dorsal dos nossos incautos moralistas, que sofrem piedosamente diante de uma provável 'queda' ante a eterna tentação que lhes perseguem por séculos, milênios de doutrina monoteísta dos judaicos-cristãos…

  2. Anonymous disse:

    >blz, baq.tô acompanhando seu blog. meus filhos também. rs, rs.bjs, regi

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s